Aspectos Toxicológicos e Ambientais

Existe uma população potencialmente exposta a agentes tóxicos nas diversas áreas ligadas à atividade petrolífera. Nos ambientes dos postos de serviços verificamos a presença de uma variada gama de hidrocarbonetos, principalmente na faixa da gasolina, que contém diversos compostos poluentes. A faixa de ebulição do C5 ao C10 situa-se em torno de 30 ºC a 210 ºC. Sua composição básica situa-se na faixa de C4 a C12.

Os hidrocarbonetos de menor peso molecular são gases nas condições habituais de temperatura e pressão. A cadeia intermediária de hidrocarbonetos, de 5 a 25 átomos de carbono, em condições normais apresenta-se no estado líquido. Esses líquidos têm alta volatilidade nas cadeias de 5 à 7 átomos de carbono. Entretanto, essa volatilidade diminui na medida em que o número de átomos de carbono aumenta.

Mesmo em pequenas quantidades, o aspecto ocupacional nos postos de serviço faz com que os que ali estão inalem constantemente esses vapores, que podem produzir duplo efeito: inicialmente estimulando o sistema nervoso central e posteriormente deprimindo-o. Existem evidências experimentais de que a exposição a esses hidrocarbonetos, a longo prazo, pode não ser inócua.

Estudos realizados nos Estados Unidos e em países da Europa com referência aos solventes orgânicos mostram que exposições prolongadas no ambiente de trabalho podem produzir sintomas neurológicos e psiquiátricos inespecíficos como fadiga, irritabilidade, cefaléias, etc.